DOENÇAS REUMATOLÓGICAS

FAN POSITIVO

O FAN é um anticorpo encontrado em diversas doenças auto-imunes como: LES, Lupus discóide, Artrite Reumatóide, Doença de Felty, Síndrome de Sjögren, Esclerodermia, Polimiosite/Dermatopolimiosite, Artrite Reumatóide Juvenil, Doença Mista do Tecido Conjuntivo, Síndrome Antifosfolípide, entre outras.
 
Porém também é encontrado em associação com outras doenças como: Doenças da Tireóide (Tireoidite de Hashimoto), Cirrose biliar primária, hepatites auto-imunes, hepatite C, miastenia gravis, Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa, neoplasias (hepatocarcinoma, linfomas por exemplo), infecções principalmente crônicas (vírus Epstein Barr e pelo vírus da imunodeficiência humana por exemplo).
 
Ainda encontramos em pessoas sadias e principalmente em familiares de pacientes com doenças auto-imunes, mesmo que não tenham a doença.
 
A pesquisa de auto-anticorpos (FAN) em células HEp-2 tem grande valor clínico, porém, como qualquer exame laboratorial, deve ser analisada com cuidado. Um teste negativo
para pesquisa de anticorpos antinúcleo é forte evidência CONTRA o diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico. Podem ocorrer reações falso-negativas em alguns pacientes com anti-SS-A/Ro isolado, anti-Jo-1, anti-P ribossomal, baixos títulos de anticorpos ou presença de imunocomplexos. Entretanto, no dia-a-dia do laboratório, o problema mais expressivo é a positividade do teste sem correlação clínica. Isso se deve em grande parte à utilização indiscriminada do exame como teste de triagem na população em geral e não em grupos selecionados de pacientes com clínica sugestiva. Antes de interpretar um resultado, devemos considerar que 5% da população normal e até 13% da população acima de 50 anos pode ter um teste positivo em título baixo.
 
Como a pesquisa de anticorpos contra constituintes celulares (FAN) passou a ser
solicitada por clínicos das especialidades mais diversas possíveis, no II Consenso em Reumatologia foi dado um alerta para lembrar a todos que solicitam este exame, que ele deve ser considerado como um teste de triagem e a interpretação e valorização
do resultado devem estar fundamentadas no conhecimento da sensibilidade e especificidade do mesmo, bem como no contexto clínico particular.
O conhecimento prévio desta propriedade com relação à sensibilidade e especificidade permitirá entender a razão do achado do número crescente de reações positivas em indivíduos normais ou naqueles com diferentes processos inflamatórios específicos e inespecíficos, e que não guardam nenhuma relação com doenças reumáticas auto-imunes, para as quais o teste na maioria das vezes é solicitado.
 
Adaptado do site: http://www.reumatologia.com.br
 
II Consenso Brasileiro de Fator Antinuclear em Células HEp-2
Definições para a padronização da pesquisa de auto-anticorpos contra constituintes do
núcleo (FAN HEp-2), nucléolo, citoplasma e aparelho mitótico e suas associações clínicas
 
Atenção: as informações contidas neste site têm caráter informativo e não devem ser utilizadas para realizar auto-diagnóstico, auto-tratamento ou auto-medicação. Em caso de dúvidas, o médico deverá ser consultado.
 
VOLTAR
CLINíCA ACTIVITé © 2016